Leilões ao longo dos tempos

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePin on PinterestShare on LinkedIn

 A história dos leilões é muito antiga e durante os tempos o formato dos leilões tem sido modificado em quase todos os aspectos. Mesmo com a venda em leilões a ser algo bastante incomum nos tempos antigos, para negociar a troca de bens e mercadorias, a verdade é que eles sobrevivem até hoje. E agora, na era das novas tecnologias, você pode encontrá-los a qualquer hora e em qualquer lugar, no wellbid.com.

A história dos leilões tendo sido registada desde os anos 500 aC e segundo Heródoto, na Babilónia os leilões de mulheres para casamento eram muito comuns e era ilegal vender uma filha para casamento fora de um leilão. Realizados anualmente, as mulheres eram vendidas aquele que fizesse a maior oferta de compra. Outros registos indicam que durante o Império Romano, após as vitórias militares, os soldados costumavam marcar o chão com uma lança, à volta dos despojos de guerra, os quais eram depois leiloados. Os romanos também usavam leilões para liquidar os bens confiscados a devedores. Outro exemplo, Marco Aurélio costumava vender mobiliário doméstico para pagar as suas dívidas, em leilões que duravam meses. A partir do final do Império Romano e até ao século XVIII, os leilões perderam fama na Europa, enquanto que na Ásia nunca ninguém tinha ouvido falar neles.

O formato dos leilões modernos foi ganho principalmente em França, onde no século XVI colocavam bens de condenados a leilão. Mais tarde, durante os séculos XVII e XVIII, algumas partes de Inglaterra tinham “leilões por vela”. Como o nome indica, para marcar o tempo do leilão eles utilizavam uma vela em vez de um martelo. Num leilão de vela, o tempo chegava ao fim quando a chama da vela parava de arder. Às vezes, outros processos imprevistos eram utilizados, como por exemplo uma corrida, no lugar de uma vela. Só em 1677 é que o martelo foi introduzido nos leilões e é aí que começa o tipo de leilão clássico, com três marteladas na mesa. Vale a pena também ressaltar que o chá, o qual era considerado um producto de luxo até século XIX, costumava ser leiloado.

A primeira casa de leilões no mundo foi a Stockholm Auction House. Hoje em dia a Sothebys é uma das casas de leilões mais conhecidas do mundo. Fundada em Londres, em 11 de Março de 1744, quando Samuel Baker presidiu à venda de várias centenas de livros muito raros e valiosos da colecção de um seu amigo. Actualmente a Christies é a maior casa de leilões do mundo. Lá são vendidas obras de arte de artistas tão importantes como Van Gogh. A Christies foi fundada por James Christie, em Londres, publicando o seu primeiro catálogo de leilão em 1766. Esta casa de leilões estabeleceu uma reputação de ser a casa de leilões lider no mundo, aproveitando o estatuto que Londres tem como o principal centro do comércio internacional de arte depois a Revolução Francesa.


Autor:

Partilhe Esta Publicação No

Enviar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *